domingo, 6 de setembro de 2009

Caderno


As palavras engasgam
Na ponta dos dedos
Preciso de um verso,
De uma rima,
Preciso criar um universo.

Combinar linhas,
Frases cantadas,
Nada disso importa agora,
Nesse espaço vazio
Logo aí em baixo.

É só um desabafo
De um desesperado criar
E sem motivos,
Sem nem vontade
Letras vem apenas espiar.

Pra que torturar-se
Afinal?
O vento sopra quando quer
Pra onde quer,
Preciso parar.


Nem poesia, nem texto
Nem rima, nem linha
Caneta, papel, arte

Que confusão a minha
Sem querer ser deus
Criei outro dos meus.

Bill Olyver, 06 de setembro de 2009, 11:57pm.

Um comentário:

  1. Veja só!
    E eu que assino Criador, que pretensão a minha.

    Continue!

    ResponderExcluir